Carregando...
Carregando


Juína News

Hoje Quinta
06 de Agosto de 2020




Reino Unido retomará venda de armas para a Arábia Saudita

Transações foram suspensas há um ano, devido ao uso que poderia ser feito das armas no Iêmen. Segundo ministra, governo britânico considera que Arábia agora tem 'a sincera intenção e a capacidade de se conformar com o direito internacional humanitário'

08 de Julho de 2020
- Fonte: France Presse - Atualizado 08/07/2020 09:37:40
Meninos seguram restos de mísseis após ataque da Arábia Saudita ao Iêmen, em foto de janeiro de 2019.  Foto: Reuters/Khaled Abdullah

Meninos seguram restos de mísseis após ataque da Arábia Saudita ao Iêmen, em foto de janeiro de 2019. Foto: Reuters/Khaled Abdullah

A ministra britânica do Comércio Internacional, Liz Truss, anunciou nesta terça-feira (7) que o Reino Unido retomará a venda de armas para a Arábia Saudita, um ano após ter suspendido as transações devido ao uso que poderia ser feito das mesmas no Iêmen.
 
O governo britânico foi obrigado a interromper as vendas de armas ao regime saudita em 20 de junho de 2019, após uma decisão da corte de apelações de Londres, que considerou que não estavam de acordo com o direito internacional, levando em conta a implicação saudita no conflito iemenita.
 
A Arábia Saudita intervém militarmente no Iêmen desde 2015, à frente de uma coalizão regional que apoia as forças pró-governamentais contrárias aos rebeldes huthis, apoiados pelo Irã. O conflito, que deixou dezenas de milhares de mortos, provocou, segundo as Nações Unidas, a pior crise humanitária do mundo.
 
Mas em uma declaração por escrito ao Parlamento, a ministra Liz Truss explicou nesta terça que o governo considerava que a Arábia Saudita tinha agora "a sincera intenção e a capacidade de se conformar com o direito internacional humanitário (DIH)".
 
"Não há risco evidente de que a exportação de armas e equipamento militar para a Arábia Saudita possa ser utilizado para cometer uma violação grave do DIH", declarou a ministra.
 
"O governo começará agora a recuperar o atraso na entrega das licenças (de vendas de armas) para a Arábia Saudita e seus parceiros, que se acumulou desde 20 de junho do ano passado", acrescentou.
 
A decisão foi imediatamente criticada por várias associações. "É uma decisão vergonhosa e sem nenhuma moral", reagiu a CAAT, uma associação que milita contra o comércio de armas. O governo britânico tinha "admitido que as armas fabricadas no Reino Unido tiveram um papel central no bombardeio" do Iêmen, segundo esta associação.
 
 
  • Whatsapp
  • Whatsapp
  • Google
0 - COMENTÁRIO
Deixe seu comentário



O site www.juinanews.com.br foi criado em 2008 com o único objetivo de levar as informações e as notícias do município de Juína e toda região.

Com o Juína News, você fica informado. As notícias são imparciais, volte sempre.

© 2008 - 2020 - A notícia certa, na hora certa.
Todos os direitos reservados.