Carregando...
Carregando


Juína News

Hoje Segunda
24 de Fevereiro de 2020




Botelho: desafio de Bolsonaro sobre o ICMS 'não faz sentido'

Presidente da AL afirmou que no lugar do governador Mauro Mendes 'nem responderia' provocação

12 de Fevereiro de 2020
- Fonte: Cintia Borges/Midia News - Atualizado 12/02/2020 09:10:27
Victor Ostetti/MidiaNews

Victor Ostetti/MidiaNews

O presidente da Assembleia Legislativa Eduardo Botelho (DEM) criticou o desafio proposto pelo presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a redução do ICMS do combustível.
 
Recentemente, Bolsonaro afirmou que poderia zerar os tributos federais sobre combustíveis se os governadores aceitarem fazer o mesmo com o ICMS (imposto estadual).
 
Para Botelho, a discussão não faz sentido. Ele afirmou que se fosse governador, não responderia Bolsonaro.
 
“Eu, no lugar de Mauro Mendes, nem responderia. Isso não faz sentido. É preciso vir com discussões factíveis e possíveis ser executada”, resumiu.
 
Botelho ainda afirmou que a proposta não condiz com a realidade vivida nos Estados, que passam por crises financeira e não podem reduzir arrecadação. Ele afirmou que Bolsonaro, com a proposta, quis “jogar para plateia”.
 
Temos questões complicadas como a arrecadação. Não adianta querer fazer graça e abrir mão de imposto. Não podemos.
 
“Nós temos problemas na Saúde, na Segurança e temos que ser realistas. Não adianta ficar jogando para plateia: ‘corta o seu que cortarei o meu’. Isso aí é desviar do foco e de uma solução possível”, afirmou.
 
O deputado disse que a atual gestão vem trabalhando para aumentar sua receita e que não é o momento de abrir mão de um imposto que, segundo dados do Executivo, representa 30% da receita do Estado.
 
“Nós estamos trabalhando na sonegação, estamos discutindo com o Governo sobre as diferenças do ICMS. Temos questões complicadas como a arrecadação. Não adianta querer fazer graça e abrir mão de imposto. Não podemos”, disse.
 
Desafio de Bolsonaro
 
Na última segunda-feira (10), o governador Mauro Mendes (DEM) aceitou reduzir o ICMS cobrado sobre o combustível, caso o presidente Jair Bolsonaro pague os valores devidos ao Estado relativos ao FEX (Fundo de Auxílio à Exportação) de 2018 e 2019 e às perdas da Lei Kandir.
 
Segundo levantamento do próprio Governo, o débito gira em torno de quase R$ 1 bilhão apenas com FEX. Estima-se que nas duas décadas de vigor da Lei Kandir o Estado tenha perdido cerca de R$ 39 bilhões.
 
A Lei Kandir isenta do ICMS as exportações de commodities. Já o FEX é uma compensação paga aos estados produtores em razão desta isenção.
 
 
  • Whatsapp
  • Whatsapp
  • Google
0 - COMENTÁRIO
Deixe seu comentário



O site www.juinanews.com.br foi criado em 2008 com o único objetivo de levar as informações e as notícias do município de Juína e toda região.

Com o Juína News, você fica informado. As notícias são imparciais, volte sempre.

© 2008 - 2020 - A notícia certa, na hora certa.
Todos os direitos reservados.