CDL INFORMA

NOTÍCIAS

20/05/2013 00:00

Juína - festa na comunidade Menino Jesus é interrompida por falta de alvará (atualizada)

  • Fonte: Juína News

Os conselheiros tutelares do município de Juína estão atuando com rigor desde o mês passado, após a Juíza da vara da infância e juventude, Cristiane Padim, baixar uma portaria que regulamenta a entrada e permanência de menores em festas e eventos.

 

 

E neste último sábado dia 18 de maio, os conselheiros que estavam de plantão constaram que  havia a presença maciça de menores de idade desacompanhados de pais ou responsáveis consumindo bebidas alcoólicas em um baile na comunidade Menino Jesus, zona rural do município.

 

 

Orientado sobre a presença de menores que consumiam bebidas alcoólicas, o presidente da festa fez o uso do microfone e falou para as mais de 2 mil pessoas que estavam presentes.

 

 

Ele pediu para que os menores que estavam no recinto se retirassem para não haver complicações para a organização, no entanto, seu pedido não foi acatado e ele para não ser punido pela justiça cancelou a festa pouco mais da meia noite.

 

 

A situação se complicou para os juinenses na hora de retornar para a cidade, a estrada é estreita é havia um grande fluxo de caminhões, carretas e veículos de passeio que trancou o trânsito.

 

 

Há relatos que pessoas conseguiram sair da comunidade mais de 2 horas da madrugada.

 

 

A organização não providenciou o alvará que é retirado junto ao fórum para entrada ou permanência de menores, e a juíza entendeu que havia necessidade de tomar alguma providencia.

 

 

Em reunião o mês passado com promotores de eventos, proprietários de bares e lanchonete do município de Juína e Castanheira, a juíza definiu as regras para a entrada e permanência de crianças e adolescentes em locais de diversão e a participação delas em eventos públicos. Por meio da Portaria nº 2/2013, a magistrada fixa também as diretrizes para orientação de estabelecimentos comerciais, de ensino e de saúde.

 

 

A juíza Cristiane Padim concederá uma entrevista nesta terça-feira dia 21 para explicar e passar mais detalhes sobre a portaria.

Comentários

evandro 23 / Mai / 2013 - 00:00
estranho,essas coisas só aparecem em grandes eventos visando midia,parece que nada é feito sem que haja reconhecimento.Queria ver isso atuando em todos os pontos,que realmente funcionasse,o que aconteceu com essa comunidade foi um fato isolado,quero ver se vai continua e se vai funcionar em todos os pontos ou só em grandes eventos.Se é pra fazer valer então tem que ser aplicado em cada esquina e no estilo corujão,como pode um sistema que restringe menores a ficar certas horas da noite acordada se o sistema dormi as 6 da tarde?
Juinense 22 / Mai / 2013 - 00:00
Meus parabéns à Juíza. A portaria da infância e juventude foi discutida no fórum com a população, além de divulgada na mídia, inclusive neste site. Chega de Juízes e Promotores de \"fazer de conta\" em Juína. Está na hora de dar um basta nessa questão relativa aos direitos e deveres das crianças e adolescentes. Atitudes assim são capazes de educar a população e prevenir danos maiores à sociedade.
juina mato grosso brasil 21 / Mai / 2013 - 00:00
parabens a juiza drª cristiane padim, mais uma vez a mulher saindo a frente, esse caso quando trata de adolecentes, é um tanto complicado a lei possui diferentes formas de ser aplicada, concordo com essa medida pois prevenir é melhor que remediar, acho que tem que ter maior rigor a respeito dos adolecentes, não tem mais respeito com a sociedade com as familias enfim tem sim que colocar mais obrigações aos futuros jovens sendo que a hora deles ainda não chegou, é sexo fora da hora, bebidas, direção perigosa acho que terão tempo demais pra aproveita a vida e não aproveitar da vida parabens drª
leitora 20 / Mai / 2013 - 00:00
O portaria estabelecida traz medidas muito menos rigorosas que se imagina, mas infelizmente nao há um meio de comunicação (ou um interesse em massa) que seja eficaz na disseminação do seu inteiro e verdadeiro teor. Além disso, é preciso alterar a cultura brasileira de negligenciar a prevenção, e trabalhar apenas após a ocorrência de desastres. Talvez, se houvesse uma \"portaria\" dessas a ser cumprida, a boate Kiss nao teria trazido tanto sofrimento...
rosalina 20 / Mai / 2013 - 00:00
eu não sei até q ponto a juiza esta certa,pois depois q o conselho foi embora,tinha ins menor q estavam bebendo, depois aqui tarde da noite dando cavalinho de pau de carro, todos com a cara cheia e ai conselho pq não foram proibir isso,euacho q elas pessoas q organzaram aquela festa,trabalhando sem ganhar nada levaram umtremendo prejuizo, sem contar q eles procuraram o conselho antes da festa,e o q essas autoridades falam de meninas menos de 15 anos se prostituindo proximo ao ginasio a noite,e tem varios pontos da cidade acontecendo isso,pq eles não investiga.e nos rodeios as 4 da manhã meninas menores totalmente bebadas,ta dificil heim fiscalizar isso tudo.acho q se eu tenho uma filha menor quem tem q cuidar sou eu,não conselho,agora ninguem é privado de se divertir por causa de uma portaria q não investiga a todos!!!!!!
miguel 19 / Mai / 2013 - 00:00
eu apoio a decisao da juiza mais a leia tem que ser pra todos enquanto na palmiteira vale tudo menores adolecentes nao em tendi juiza
Maria Aparecida 19 / Mai / 2013 - 00:00
só quando a comunidade juinense entender o verdadeiro sentido do que é o dever de cumprir a lei é que esses problemas terminarão. É muito fácil culpara a Juíza, claro. Mas o que importa é que ela tem o dever de fazer cumprir a lei e querer o bem estar da comunidade. Não a conheço, mas acredito que ela prefere ser taxada de chata do que de negligente caso aconteça uma tragédia igual aconteceu em Santa Maria RS. Senhores organizadores de eventos, sejam mais diligentes, não visem só o lucro, visem a paz social, a festa de forma organizada e com segurança. Não custa nada ir ao fórum buscar um alvará que é expedido gratuitamente, melhor do que ver doer o bolso de ter que responder processo e pagar multa. Pensem nisso.
CARLA FELIX 19 / Mai / 2013 - 00:00
JÁ QUE AS DECISÕES JUDICIAIS SÃO PÚBLICAS, COLOCA CÓPIA DA QUE FOI MENCIONADA NESSA MATÉRIA PARA COMPROVAR A VERACIDADE DA IMFORMAÇÃO.
CRIS 19 / Mai / 2013 - 00:00
Parabéns Drª Cristiane Padin pelo lindo trabalho na busca da justiça social... A comunidade juinense agradece os esforços incançaveis do do judiciario e ainda bem que o juridicio não intimida com pressão de uma minoria desorganizada e mercenaria
perla 19 / Mai / 2013 - 00:00
concordo que as leis são feitas para serem cumpridas,mas antes eles tem q se organizarem para passar as informações corretas para as pessoas.segundo o que fiquei sabendoos organizadores foram ao conselho e eles disseram que esta lei não se aplicava na comunidade rural,tbm acho errado mas ta faltando informações mais claras....

Comentar