Juína/MT, 21 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

21 de Julho de 2024


Brasil Segunda-feira, 13 de Novembro de 2023, 07:01 - A | A

Segunda-feira, 13 de Novembro de 2023, 07h:01 - A | A

Críticas de embaixador de Israel e reunião com Bolsonaro estremecem relação diplomática

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu mal os movimentos recentes do embaixador de Israel em Brasília, Daniel Zonshine, que envolveram reuniões com parlamentares de oposição e o ex-presidente Jair Bolsonaro, além de declarações públicas sobre a suposta presença de representantes do Hezbollah no Brasil.

A insatisfação com as autoridades israelenses foi expressada publicamente pelo Ministro da Justiça, Flávio Dino, e pela Polícia Federal. Internamente, Itamaraty e Planalto também reconhecem o desconforto. Em nota, a embaixada de Israel disse que Bolsonaro apareceu sem ser convidado na reunião da Câmara e agradeceu ao governo brasileiro pela operação contra o Hezbollah.

“A reunião de ontem no Congresso Nacional teve como intenção mostrar as atrocidades do 7 de outubro cometidas pelos terroristas do Hamas. Um material muito bruto e sensível. Convidamos parlamentares e apenas parlamentares. A presença do ex-presidente não foi coordenada pela Embaixada de Israel e não era de nosso conhecimento antes da reunião”, diz o texto. “Gostaríamos também de agradecer às autoridades brasileiras pelo sucesso da operação para evitar os ataques terroristas que teriam sido planejados aqui pelo Hezbollah.” 

O Estadão entrou em contato com o embaixador, mas não obteve retorno até a publicação deste texto. O espaço está aberto a manifestações.

Reunião e entrevista

O descontentamento com o governo israelense e seus emissários, que já vinha de alguns dias, em virtude da demora na retirada dos 34 brasileiros que querem deixar a Faixa de Gaza, foi agravado na quarta-feira (8) tanto pela reunião de Zonshine e a entrevista ao jornal O Globo, como também por declarações do gabinete do premiê Binyamin Netanyahu sobre o envolvimento do Mossad, o serviço secreto israelense, na Operação Trapiche, da Polícia Federal.

Ainda na quarta-feira, Zonshine participou de uma reunião com parlamentares em Brasília, que contou com a presença de Bolsonaro, para mostrar as imagens do atentado do Hamas do dia 7, que deixou 1,4 mil israelenses mortos e 240 reféns. Um pequeno vídeo foi publicado pelo ex-presidente em suas redes sociais, mas detalhes do encontro não foram tornados públicos.

Ao Globo, Zonshine afirmou que o Hezbollah planejou ataque terrorista no Brasil por ter apoiadores no País. “Se escolheram o Brasil, é porque tem gente que os ajuda.”

Em Israel, após a operação, o gabinete do premiê Binyamin Netanyahu divulgou nota agradecendo as autoridades brasileiras pela Operação Trapiche, ressaltou a colaboração do Mossad, o serviço secreto israelense, e afirmou que o Mossad continuará operando para prevenir esses ataques onde e quando for necessário.

Críticas de Flávio Dino

Nesta quinta-feira, 9, surgiram os primeiros indícios de desagrado do governo com as autoridades israelenses. Pela manhã, o ministro da Justiça Flávio Dino reagiu à nota do gabinete de Netanyahu em um post no X, o antigo Twitter.

“Nenhuma força estrangeira manda na Polícia Federal do Brasil. E nenhum representante de governo estrangeiro pode pretender antecipar resultado de investigação conduzida pela Polícia Federal, ainda em andamento”, disse Dino.

A PF, por sua vez, repudiou as declarações de Zonshine ao Globo em nota oficial, frisando que suas ações são técnicas e que não cabe à corporação “analisar temas de política externa”.

“Manifestações dessa natureza violam as boas práticas da cooperação internacional e podem trazer prejuízos a futuras ações nesse sentido”, declarou a corporação. A PF ressaltou ainda que o inquérito que culminou na fase ostensiva da Trapiche é conduzido de forma “imparcial e isenta” e indicou não admitir intromissões externas nas apurações.

Desconforto no Planalto

No Planalto, a orientação é não comentar os episódios recentes com Zonshine publicamente, sobretudo para não atrapalhar os esforços para retirar o grupo de 34 brasileiros da Faixa de Gaza. Internamente, no entanto, o governo reconhece que há uma proximidade do diplomata com parlamentares de oposição, sobretudo os mais próximos a Bolsonaro. Por isso, a reunião com o ex-presidente foi mal recebida.

A aposta no Ministério das Relações Exteriores é que o ato do embaixador terá consequências políticas e de relacionamento diplomático. Um embaixador da ativa ouvido pela reportagem disse, sob condição de anonimato, que Zonshine deverá receber no mínimo “um gelo”.

Em outras palavras, o diplomata israelense deverá ter mais dificuldades de ser recebido no Itamaraty e atendido pelo ministro Mauro Vieira, em razão da indisposição política.

Rusgas diplomáticas

Integrantes do governo já haviam notado críticas de Zonshine em entrevistas, em virtude de declarações tanto do presidente Lula quanto do Itamaraty em defesa de soluções diplomáticas rechaçadas por Israel.

A simpatia de parte da esquerda e do PT à causa palestina também provocou rusgas nos últimos dias. A embaixada de Israel, por exemplo, rebateu nota do PT em que o partido equiparava os atos terroristas do Hamas à reação militar com os bombardeios em Gaza.

Na última semana à frente do Conselho de Segurança da ONU, Mauro Vieira fez um discurso com cobranças aos israelenses de garantias e proporcionalidade na resposta militar, e pediu o fim dos assentamentos na Cisjordânia.

Lula citou o termo genocídio para descrever a operação de guerra das Forças de Defesa de Israel. Depois, buscou reequilibrar o tom e se reuniu com famílias de vítimas dos dois lados no conflito. Nesta quinta, o assessor de relações internacionais Celso Amorim também usou o termo para se referir aos ataques israelenses em Gaza.

 

 

Fonte: Estadão

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros