Juína/MT, 21 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

21 de Julho de 2024


Cidades Segunda-feira, 16 de Outubro de 2023, 09:02 - A | A

Segunda-feira, 16 de Outubro de 2023, 09h:02 - A | A

COMPARAÇÃO A 2022

Preço da batata aumenta 17% e cesta básica passa a custar R$ 737 em Cuiabá

Ao custo de R$ 737,25, a cesta básica na Capital apresentou uma diferença de apenas 0,91% no comparativo entre as segundas semanas de outubro de 2022 e de 2023, quando no mesmo período do ano passado custava R$ 730,57. Já o acréscimo sobre a primeira semana deste ano foi de 0,51%, registrando um acréscimo nominal de R$ 4,17, patamar próximo do averiguado na última semana de setembro.

Levantamento do Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio Mato Grosso (IPF-MT) mostra que os alimentos que mais impactaram na variação semanal, foram a batata e o arroz, em crescimento de 17,78% e 3,31%, respectivamente. O feijão apresentou queda de 2,80%, o que vem sendo observado pela sexta semana consecutiva, chegando a custar R$ 7,12/kg, o menor desde o início do levantamento.

O levantamento traz, ainda, a queda no preço de cinco dos 13 alimentos que compõem a cesta, o que tem contribuído para deixar o valor do mantimento próximo do registrado no mesmo período do ano passado, tendo o leite como destaque, que está em sua nona queda consecutiva, chegando ao menor preço médio desde março deste ano, custando R$ 6,73/l. Já na comparação com a mesma semana do ano passado, o valor atual é 5,92% menor. 

 

Outro alimento com destaque na análise histórica é o feijão, que está na sua sexta queda consecutiva, 11,70% menor do que na mesma semana do ano passado. A análise do IPF-MT mostra que essa diminuição nos preços pode estar atrelada à maior disponibilidade do grão, com estoques de duas safras sendo comercializados.

O arroz mostra crescimento de 3,31% esta semana, sendo um aumento relacionado ao mercado internacional de grãos, que vem favorecendo a sua exportação para países da América do Sul, como o Brasil, o que gera impactos nos preços praticados internamente. O valor médio de R$ 6,81/kg para o grão é o maior verificado desde março de 2022, no início o levantamento.

 

 

Fonte: GD

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros