Juína/MT, 25 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

25 de Julho de 2024


Gerais Terça-feira, 14 de Novembro de 2023, 08:47 - A | A

Terça-feira, 14 de Novembro de 2023, 08h:47 - A | A

Confira

Governo Federal passa a monitorar desmatamento em Juína e mais 21 cidade de MT

Dos 22 município Mato-Grossense, quatro são da região noroeste

Foi publicado no Diário Oficial da União, revelou uma relação de 22 cidades mato-grossenses consideradas prioritárias em ações de combate ao desmatamento na região da Amazônia.

Esta lista, que contempla 70 municípios ao todo, destaca Mato Grosso como o Estado com a segunda maior quantidade de áreas prioritárias, superado apenas pelo Pará, que possui 26.

A lista também inclui municípios de outros estados, como Acre (5), Amazonas (9), Rondônia (6) e Roraima (2).

Essa relação é atualizada periodicamente para refletir sobre as mudanças na priorização de municípios dentro do Bioma Amazônia para a prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento.

Veja a lista dos 22 municípios de Mato Grosso que estão sendo monitorados a partir de agora nas ações de controle do desmatamento florestal:

Apiacás, Aripuanã, Bom Jesus do Araguaia, Cláudia, Colniza, Comodoro, Cotriguaçu, Feliz Natal, Gaúcha do Norte, Juara, Juína, Marcelândia, Nova Bandeirantes, Nova Maringá, Nova Ubiratã, Paranaíta, Paranatinga, Peixoto de Azevedo, Querência, Rondolândia, São José do Xingú e União do Sul.

Outros 09 municípios de Mato Grosso já estavam sob vigilância:

Alta Floresta, Alto Boa Vista, Brasnorte, Confresa, Porto dos Gaúchos, Santa Carmem, São Félix do Araguaia, Tapurah e Vila Rica.

De acordo com a portaria nº 161, datada de 15 de abril de 2020, os municípios são incluídos nessas listas seguindo critérios específicos.

Eles precisam ter registrado, no ano de 2019, um desmatamento de florestas que atinja ou ultrapasse 80 km², além de uma área total desmatada nos últimos três anos que seja igual ou superior a 160 km². Outro fator considerado é o aumento da taxa de desmatamento em pelo menos três dos últimos cinco anos.

Esses critérios visam reforçar as estratégias de luta contra o desmatamento e estimular a conservação do ecossistema amazônico.

 

 

 

Fonte: Rádio Tucunaré e Acesse Notícias

 

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros