Juína/MT, 24 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

24 de Junho de 2024


Lista de Notícias Sábado, 30 de Dezembro de 2017, 00:00 - A | A

Sábado, 30 de Dezembro de 2017, 00h:00 - A | A

Mulher baleada pelo marido morre em hospital de Juína

Juína News

Grazieli Riquelme Diniz, de 27 anos, faleceu neste sábado, dia 30, num hospital particular da cidade de Juína, Mato Grosso. Ela foi baleada no abdômen por seu marido, Pablo Silva Pereira, 24, no dia 23 de dezembro no município de Cotriguaçu.

Após o crime, ela foi socorrida e trazida a Juína onde recebia cuidados médicos.

Pablo foi preso pela Polícia Civil nesta quinta-feira, dia 28, após se apresentar na delegacia acompanhado de seu advogado, contra ele havia mandado de prisão. Ele confessou o crime e disse que o disparo foi acidental, quando ele tentava tirar a arma das mãos da vítima.

O suspeito foi encaminhado à cadeia pública de Colniza e deverá responder agora por crime de feminicídio.

Ele havia sido indiciado por tentativa de feminicídio, mas com o óbito da vítima o juiz será comunicado.

O crime

O acusado era caseiro da fazenda e efetuou um disparo de espingarda contra a companheira na residência dele localizada dentro da propriedade da fazenda. Após uma discussão, Pablo, que tinha um relacionamento conturbado com a companheira, efetuou o disparo contra a Grazieli, que mesmo ferida conseguiu acionar a Polícia.

Assim que receberam a informação da tentativa de homicídio, policiais civis e militares se deslocaram até a fazenda, onde encontraram a vítima com um ferimento na região do abdômen. Segundo o médico plantonista, o disparo atingiu o intestino da vítima.

Logo no dia seguinte (24), o delegado Marco Bortolotto Remuzzi representou pela prisão preventiva do suspeito, a qual foi deferida pela Justiça.

Remuzzi explicou que a prisão do suspeito foi possível graças à rápida ação da equipe da Polícia de Cotriguaçu.

“Os investigadores e a escrivã trabalharam de forma ágil na identificação do suspeito, o que tornou possível a rápida representação pelo pedido de sua prisão do acusado, que mesmo não estando em situação de flagrante, permaneceu preso por força do mandado judicial”, destacou o delegado. 

 

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros