Juína/MT, 21 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

21 de Julho de 2024


Mato Grosso Segunda-feira, 02 de Janeiro de 2023, 09:45 - A | A

Segunda-feira, 02 de Janeiro de 2023, 09h:45 - A | A

População crê num 2023 melhor em relação ao ano passado

Apesar das dificuldades e instabilidades do quadro econômico, o brasileiro não perde as esperanças para o futuro. Levantamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) revela que 3 em cada 4 pessoas têm sentimentos positivos quanto a 2023 e acreditam que o ano que se inicia neste domingo (1º) será melhor em relação ao ano passado.

Segundo o estudo, 74% da população esperam melhora no âmbito pessoal e familiar e entendem que a economia já está se recuperando. A situação financeira, por sinal, é o tópico mais citado pelos entrevistados como o principal fator para a recuperação, ficando à frente de outras áreas como saúde física e mental, trabalho, relações pessoais, lazer e moradia.

Uma das mais animadas para o novo ciclo é a comerciante Creuza Andrade. Ela entende que a superação de momentos conturbados ajuda a elevar as expectativas para 2023. Pelo prisma do consumo, é fácil entender o porquê: mais de 80% disseram que compraram menos ou apenas mantiveram o padrão do ano anterior em função da disparada de preços das mercadorias. 

“Felizmente, muitos desses problemas, como a pandemia, já passaram pelas suas piores fases e acredito que a troca de governo será fundamental para concretizar essa projeção”, comenta a comerciante.

A confiança externada por Creuza é uma tendência evidenciada de que o otimismo é maior entre as mulheres, de acordo com o sociólogo Antonio Lavareda, do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). “Também aponta perspectivas otimistas quanto à queda do desemprego, aumento do acesso ao crédito e do poder de compra, acompanhadas de cautela em relação à taxa de juros, inflação e custo de vida”.

Expectativa x Realidade

O otimismo da população pode esbarrar em conjecturas geopolíticas. Diante do cenário atual, o mercado prevê que a economia internacional entre em recessão com a escalada dos juros nas maiores potências globais. Devido a isso, parte dos economistas acredita que o PIB brasileiro não tenha crescimento real em 2023.

“A economia global vai crescer pouco, e isso atrapalha. Além disso, já estamos vendo alguma queda em preços de commodities, o que já começou na metade deste ano. São fatores domésticos e externos puxando a atividade para baixo. Ou seja, vai ser um ano desafiador no mundo todo”, analisa o economista-chefe do C6 Bank, Felipe Salles.

 

 

Fonte: GD

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros