Juína/MT, 14 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

14 de Julho de 2024


Mundo Segunda-feira, 06 de Março de 2023, 09:19 - A | A

Segunda-feira, 06 de Março de 2023, 09h:19 - A | A

Papel higiênico pode ser fonte de substâncias potencialmente cancerígenas

Cientistas da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, identificaram que o papel higiênico é "uma fonte inesperada" de PFAS (família de substâncias perfluoroalquiladas que inclui milhares de compostos químicos, alguns deles potencialmente cancerígenos) em águas residuais. 

Segundo o artigo, publicado nesta semana na revista Environmental Science & Technology Letters, da Associação Americana de Química, as PFAS são usadas por alguns fabricantes de papel higiênico ao converter madeira em celulose e podem acabar contaminando o produto final.

Eles acrescentam que o papel higiênico feito de material reciclável também corre o risco de ser feito com fibras de outros materiais que contenham PFAS.

O objetivo do estudo foi identificar se o papel higiênico jogado no vaso sanitário era responsável por despejar PFAS nas águas residuais.

Para isso, os autores do estudo reuniram rolos de papel higiênico vendidos em nove países – EUA, Chile, França, Reino Unido, Holanda, África do Sul, Costa Rica, El Salvador e Uruguai.

Eles também coletaram amostras de esgoto de estações de tratamento nos EUA.

Posteriormente, extraíram os PFAS dos papéis higiênicos e do esgoto, para compará-los.

Os PFAS primários identificados foram os polifluoroalquil fosfatos dissubstituídos (diPAPs), que, segundo os autores, "podem se converter em PFAS mais estáveis, como o ácido perfluorooctanóico, que é potencialmente cancerígeno".

O diPAP 6:2 foi o mais abundante em ambas as amostras, mas a concentração dele estava em níveis baixos.

O grupo de cientistas fez outro experimento em que considerou as medições do níveis de PFAS no esgoto e o uso per capita de papel higiênico em vários países – EUA, Canadá, China, Austrália, França e Suécia.

Nos EUA e no Canadá, o papel higiênico representava cerca de 4% de todo o diPAP 6:2 achado nas águas residuais, patamar que subiu para 35% na Suécia e 89% na França.

Os pesquisadores consideram que a maior parte do diPAP 6:2 dos EUA entra no esgoto a partir de cosméticos, produtos têxteis e embalagens de alimentos, por exemplo.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos ressalta que a maioria das pessoas já foi exposta a alguns PFAS, mas que os riscos ocorrem quando há grandes concentrações e por muito tempo. Alguns desses compostos também podem se acumular no organismo.

O órgão lista achados de estudos científicos sérios que mostraram que a exposição a certos níveis de PFAS pode levar a problemas reprodutivos, como diminuição da fertilidade ou aumento da pressão arterial em gestantes; e atraso no desenvolvimento de crianças, incluindo baixo peso ao nascer, puberdade acelerada, variações ósseas ou alterações comportamentais.

Também cita o aumento do risco de alguns tipos de câncer, incluindo de próstata, rim e testículo; e a redução da capacidade de o sistema imunológico combater infecções; além de interferências em hormônios naturais do corpo e aumento dos níveis de colesterol e/ou risco de obesidade.

A principal dificuldade, já que existem mais de 4.000 PFAS, é determinar quais são os mais prejudiciais.

"Existem milhares de PFAS com efeitos e níveis de toxicidade potencialmente variados, mas a maioria dos estudos se concentra em um número limitado de compostos PFAS mais conhecidos", acrescenta a agência norte-americana.

A Agência Europeia de Substâncias Químicas destaca que as PFAS são feitas de ligações carbono-flúor, "uma das mais fortes na química orgânica".

Com base nisso, são compostos que resistem por muito tempo no ambiente.

"O comportamento dos PFAS no meio ambiente significa que eles tendem a poluir os lençóis freáticos e a água potável, o que é difícil e caro de remediar. Certos PFAS são conhecidos por se acumularem em pessoas, animais e plantas e causar efeitos tóxicos", detalha a agência.

 

 

 

Fonte: R7

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros