Juína/MT, 21 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

21 de Julho de 2024


Polícia Terça-feira, 21 de Março de 2023, 09:24 - A | A

Terça-feira, 21 de Março de 2023, 09h:24 - A | A

RENEGADOS

Gaeco e PJC cumprem 10 prisões na 3ª fase de operação contra policiais civis e informantes

Foi deflagrada na manhã desta terça-feira (21) a terceira fase da operação Renegados, que mirou uma organização criminosa composta, entre outros membros, por policiais civis. A ação foi feita pelo Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), e pela Polícia Civil, por intermédio da Corregedoria-Geral da instituição. Um delegaco foi alvo de busca e apreensão e quatro investigadores presos já foram identificados. 

O objetivo foi o cumprimento de ordens judiciais, entre mandados de busca e apreensão e prisão preventiva. Além das ordens de busca, a operação cumpre 10 mandados de prisão preventiva contra alvos da operação. Os mandados são cumpridos nas cidades de Cuiabá, Chapada dos Guimarães e Rondonópolis.

Um dos alvos de busca e apreensão é o delegado Douglas Turíbio, que já foi alvo de Processo Administrativo Disciplinar e chegou a ser suspenso, por infrações disciplinares. Já foram presos os investigadores da Polícia Civil Edilson Antônio da Silva, Alan cantuario Rodrigues, Rogério da Costa Ribeiro e Júlio César de Proença.

A operação se fundamenta na continuidade da investigação conjunta realizada em Procedimento de Investigação Criminal (PIC) instaurado pelo GAECO e em Inquérito instaurado pela Corregedoria-Geral da Policial Civil.  A investigação busca desarticular uma organização criminosa composta, além de policiais civis e outros membros, por informantes do grupo.

Os elementos informativos e provas colhidos durante as investigações, demonstraram que a organização criminosa era comandada por policial da ativa, o qual se utilizava de técnicas de investigação com o uso de equipamentos da Polícia Judiciária Civil, além da facilidade de ser chefe de operação de uma delegacia da Capital, para facilitar e encobrir as ações criminosas do grupo.

As ações praticadas pelos investigados envolvem a prática de crimes graves como concussão, corrupção, peculato, roubo e tráfico.

O Ministério Público e a Polícia Civil comungam esforços para combater os que desonram sua missão institucional e renegam a nobre missão do combate à corrupção e criminalidade. A lei é para todos e com muito mais rigor deve atingir aqueles que abusam da função pública e se utilizam do cargo e do aparato estatal para o cometimento de crimes.

Siga o Juína News nas redes sociais facebook/juinanews e no Instagram clicando aqui @juinanews 

 

 

 

Fonte: GD

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros