Juína/MT, 19 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

19 de Junho de 2024


Polícia Sexta-feira, 03 de Março de 2023, 08:36 - A | A

Sexta-feira, 03 de Março de 2023, 08h:36 - A | A

Mato Grosso é o 1º na lista de Estados com maior aumento de mortes violentas; 22,5%

Uma semana depois de registrar uma chacina com 7 mortos, incluindo uma criança na cidade de Sinop, Mato Grosso volta a ser destaque nacional por estar em primeiro lugar no ranking das 27 unidades federativas com aumento de 22,5% nas mortes violentas (feminicídios, homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte), no comparativo entre os anos de 2021 e 2022. Já o Brasil teve 40,8 mil assassinatos em 2022, com queda de 1% em relação a 2021.

No Estado, foram 786 homicídios em 2021 e 963 no ano passado, conforme dados da Secretaria de Estado e Segurança Pública (Sesp). No cálculo não entram as mortes por intervenção de agentes do Estado, que somaram 109 no ano passado contra 103 em 2021, com um aumento de 5,8%. Somente na Grande Cuiabá o aumento foi de 24% nos registros.

Para o promotor de Justiça Vinícius Gahyva Martins, que integra o Núcleo de Defesa da Vida (NDV) do Ministério Público Estadual (MPE), as mortes decorrentes das guerras entre facções e as provocadas pelos agentes são os principais responsáveis por colocarem o Estado neste patamar de violência em que se encontra.

Cita a chacina ocorrida no ano passado, na cidade de Nova Monte Verde (968 km ao norte), onde 4 trabalhadores paranaenses foram executados por faccionados no Comando Vermelho (CV) pela suspeita de integrarem a facção rival, o Primeiro Comando da Capital (PCC). O grupo havia chegado recentemente para atuar em uma empresa de asfaltamento e uma simples foto nas redes sociais, onde um deles deixava 3 dedos à mostra, foi lida como sinal da facção rival, suficiente para decretar a tortura e morte de todos.

O promotor atua em casos recentes, aqui na Capital, envolvendo as mortes decretadas pelo CV, que ainda é a organização criminosa predominante no Estado. Hoje, um poder paralelo que cresceu e se estabeleceu onde o Estado não chegou com saúde, educação, segurança, entre outros serviços, cita Gahyva.

A facção mantém sua hegemonia intimidando a sociedade com suas atrocidades, para evitar testemunhas que coloquem seus membros sujeitos aos rigores da lei. Em atuações nas audiências de custódia, percebe-se que a punição do tribunal do crime do CV é muito mais temida do que da Justiça formal, já que pode resultar na morte de quem contrariar os estatutos da facção.

 

 

Fonte: GD

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros