Juína/MT, 15 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

15 de Junho de 2024


Polícia Segunda-feira, 31 de Julho de 2023, 08:10 - A | A

Segunda-feira, 31 de Julho de 2023, 08h:10 - A | A

1,3 mil presos

Sistema prisional de VG enfrenta risco de colapso

Responsável por abrigar 11% da população carcerária de Mato Grosso, Várzea Grande enfrenta risco de colapso no sistema prisional das duas unidades que juntas monitoram mais de 1,3 mil presos, de um total de 11,5 mil em todo estado. Isto porque, o Centro de Ressocialização de Várzea Grande, conhecido como Cadeia do Capão Grande, e a Penitenciária Ahmenon Lemos Dantas, hoje funcionam com um efetivo de policiais penais abaixo das condições mínimas de segurança, colocando em risco os servidores das unidades, a população carcerária e a sociedade em geral, na iminência de uma tragédia, denuncia o Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado (Sindspen).

As unidades não estão com superlotação, já que o número de presos abrigados está dentro do que preve as estruturas, assegura Amaury Benedito Paixão das Neves, presidente do Sindspen. O problema é o número ínfimo de policiais penais que precisam atuar em diversas funções dentro da unidade, no caso do Ahmenon, em área construída de mais de 25 mil metros quadrados.

Mas a situação mais crítica é a da Cadeia do Capão, que abriga cerca de 200 presos de alta periculosidade. Apesar de manter o título de Centro de Ressocialização, os detentos são faccionados que, por questão de segurança e por correrem risco de morte, são remanejados de outras prisões do Estado, informa Silvio Rodrigues Filho, diretor regional do Sindspen no município. Dentro deste quadro caótico, lembra que existe uma pressão muito grande para que estes presos de alta periculosidade integrem os programas de ressocialização, inclusive com atividades fora da unidade, o que não é viável diante da total falta de condição de manter o acompanhamento, assegura. Hoje o efetivo se desdobra para atuar dentro dos muros já que, apesar do efetivo reduzido, as equipes precisam atuar ainda na vigilância de presos que ficam hospitalizados, o que ocorre com frequência.

A Cadeia do Capão é um prédio inaugurado em 2002, com mais de 20 anos e cerca de 15 mil metros quadrados. Apesar de existirem equipamentos, como o escaner corporal e de bagagem, a vulnerabilidade é grande para os policiais penais, principalmente porque os presos, além de possuírem condenações altas, também têm alto poder aquisitivo, em sua maioria com atuação no tráfico de entorpecentes.

 

 

Fonte: GD

 

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros