Juína/MT, 19 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

19 de Junho de 2024


Lista de Notícias Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2019, 00:00 - A | A

Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2019, 00h:00 - A | A

Conselheira tutelar, afirma que criança supostamente abusada no lar, não estava sob custódia do conselho tutelar de Juína

Juína News

Um suposto abuso sexual contra uma criança de quatro anos que estava em poder do lar da criança gerou muita revolta e comentários na cidade envolvendo até mesmo o Conselho Tutelar da cidade de Juína/MT.

A conselheira Talita da Silva Góes, explicou ao site Juína News que a família da criança vem sendo acompanhada pelo conselho tutelar desde o ano de 2016, e também por toda rede de proteção como: CRAS, CREAS, Assistência Social e Ministério Público, onde no final do ano passado foi enviada uma ordem aos conselheiros para retirasse as crianças e entregasse  ao  lar da criança, sendo que o conselho cumpriu a ordem.

Segundo Talita, na data de ontem o colegiado foi acionado e informado que a criança havia sofrido o suposto abuso, porém a criança estava sob responsabilidade do Lar da Criança e não do conselho tutelar como foi citado na matéria, que segundo a conselheira Talita, apresenta muitas informações distorcidas e inverídicas, sendo que a equipe de reportagem (Cuiabá), que lançou a matéria não procurou o conselho tutelar para ouvir a versão.

Talita se diz triste e preocupada com a matéria devido os comentários existentes em uma página do facebook, existem ameaças graves aos conselheiros, isso deixa todo o colegiado preocupado, pois para quem realmente entende um pouco sobre o assunto já percebe que o conselho tutelar não obtém a guarda de nenhuma criança.

 “O conselho tutelar não fica com guarda de criança alguma, o conselho tutelar não é o lar da criança e o conselho tutelar não tira filho de ninguém por pobreza” - desabafou Talita.

As crianças foram retiradas da família por uma ordem judicial e o motivo será mantido em sigilo para não denegrir ainda mais a imagem das crianças, porém o acompanhamento seguirá sendo efetuado sem alterar o trabalho dos conselheiros, sendo que o conselho tutelar é um órgão de proteção que irá acompanhar o desenrolar do caso, porém com a certeza que estão fazendo seu trabalho de forma idônea e coerente, finalizou Talita da Silva Góes, conselheira tutelar.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros