Juína/MT, 18 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

18 de Junho de 2024


Mundo Terça-feira, 04 de Julho de 2023, 12:25 - A | A

Terça-feira, 04 de Julho de 2023, 12h:25 - A | A

Expedições ao Titanic podem danificar ainda mais os destroços do navio, diz especialista

Jessica Sanders, uma autoridade americana em artefatos do Titanic, afirmou que viagens turísticas ao local do naufrágio podem causar danos graves à já enfraquecida e deteriorada embarcação. A implosão do submarino Titan, que levou à morte instantânea de todos os cinco tripulantes, agravou preocupações já existentes.

"Esse tipo de situação fazia parte das nossas preocupações desde que empresas começaram a oferecer expedições turísticas", disse Sanders ao jornal The Post. A especialista é a atual presidente da RMS Titanic, Inc. (RMST), instituição que busca preservar os destroços do Titanic e a memória do naufrágio e daqueles que estavam no navio.

"Tem havido muitas expedições nos últimos anos. Eles [a Ocean Gate] afirmam que a implosão não fez nada nos destroços, mas precisamos apenas verificar", acrescentou. 

Os destroços da implosão do Titan, que matou todos os cinco a bordo, foram encontrados a quase 500 metros da proa (frente) do navio, o que significa que é improvável que tenham causado danos à embarcação, mas a operação de levantamento e salvamento das Guardas Costeiras dos EUA e do Canadá continua em andamento.

 

 

Fonte: R7

Jessica esclareceu que, apesar do desejo de se certificar que tudo esteja certo com o navio, entende que algum dano é improvável. "Novamente, não temos motivos para acreditar que o submersível Titan entrou em contato com o local do naufrágio. A investigação está em andamento".

A especialista acredita que todas as pessoas deveriam ter a oportunidade de ver os destroços ao vivo, mas ressalta que a expedição deveria ser feita com mais segurança. "Todo mundo deveria poder ver os artefatos. Não deveria ser apenas um milionário, um bilionário, o exército ou um cineasta que pode ir até o local do naufrágio. Mas são necessárias regras respeitosas enquanto ainda é um local ativo", ressaltou.

Desde a implosão do Titan, a RMST tem tentado elaborar uma maneira de trazer ao público outras maneiras de ver os destroços para além de mergulhar no oceano profundo. Vários grupos, incluindo a famosa organização internacional The Explorers Club e a empresa de mapeamento do fundo do mar Magellan, não têm expedições planejadas para os destroços do Titanic pelo resto do ano.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros