Juína/MT, 21 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

21 de Julho de 2024


Saúde Quarta-feira, 10 de Julho de 2024, 08:51 - A | A

Quarta-feira, 10 de Julho de 2024, 08h:51 - A | A

Alerta!

Malária volta a preocupar autoridades da saúde em Juína

No dia 4 deste mês, foi registrado o primeiro caso positivo de malária no município, o que levou à implementação dos protocolos de vigilância em saúde para controlar a doença

Juína News

 A malária voltou a preocupar as autoridades de saúde em Juína, conforme relata a Secretária de Saúde Marcela Américo Ortolan. No dia 4 deste mês, foi registrado o primeiro caso positivo de malária no município, o que levou à implementação dos protocolos de vigilância em saúde para controlar a doença. Juína, por sua rica fauna e flora e presença de muita água limpa, torna-se um ambiente propício para o mosquito transmissor da malária, o Anopheles, diferente do mosquito da dengue que prefere água parada e suja.

Em entrevista, a enfermeira, Geaine Rodrigues, coordenadora da vigilância, informa que foram registrados oito casos autóctones de malária em investigação e um caso importado. Desde 2021, só haviam sido recebidos casos importados, mas neste ano há casos autóctones. Ela orienta que, principalmente na zona rural, as pessoas evitem exposição em rios após as seis horas da tarde, quando o mosquito está mais ativo. Atualmente, três pacientes estão internados com sintomas leves, aguardando alta.

Paulo José Santana, coordenador de endemias, acrescenta que o foco da malária foi registrado a 38 km no rio Juinão, na BR sentido Tangará da Serra, em uma região de rio onde pessoas frequentam. Casos também foram identificados em Terra Rocha, distrito de Juína, e na linha 04. A vigilância está monitorando os casos e realizando borrifação nas casas onde as famílias residem para controlar a disseminação da doença.

O médico regulador, Manoel Mattioniarrial Real, da secretaria de saúde, explica que os sintomas da malária surgem entre 7 e 14 dias após a picada do mosquito, apresentando tremores, calafrios e febre alta, podendo chegar a 40 graus. A febre pode durar de 6 a 12 horas e se manifestar de maneira cíclica, dependendo do tipo de protozoário, com episódios a cada 48 ou 72 horas. Ele enfatiza a importância de procurar uma unidade médica ao apresentar sintomas de febre, pois os sintomas são inespecíficos e exigem uma avaliação completa do histórico do paciente para um diagnóstico preciso.

O diagnóstico da malária pode ser feito por microscopia direta (gota espessa) ou por teste rápido, com resultados em 15 a 20 minutos. A malária pode agravar e levar à necessidade de UTI ou até mesmo ao óbito se não tratada a tempo.   

Siga o Juína News nas redes sociais facebook/juinanews e no Instagram clicando aqui @juinanews

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros