Juína/MT, 18 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

18 de Junho de 2024


Brasil Sexta-feira, 17 de Março de 2023, 08:35 - A | A

Sexta-feira, 17 de Março de 2023, 08h:35 - A | A

Argentina atinge inflação anual de 102,5% em fevereiro, a mais alta em 31 anos

O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Argentina referente ao mês de fevereiro registrou variação de 6,6% em relação ao mês anterior, conforme divulgou o Indec (Instituto Nacional de Estadística y Censos) nesta terça-feira (14). Em 12 meses, o índice, que corresponde à inflação oficial do país, teve variação de 102,5%, acima da taxa anual mais alta registrada até então, em outubro de 1991, quando foi de 102,4%.

Este é o 13º mês seguido em que a inflação oficial anual da Argentina tem alta. Nos dois primeiros meses do ano, o índice acumula uma variação de 13,1%. 

Em janeiro, a variação mensal foi de 6% em relação a dezembro, e a de 12 meses chegou a 98,8%.

"A inflação é só um pedaço dos problemas da Argentina. O país está com escassez de moeda estrangeira, incapacidade de compra de produtos importados, dificuldade para pagar dívidas, tem maior grau de incerteza [para investidores], com restrição bancária para saque e movimentação de contas", afirma Alexandre Chaia, professor de finanças do Insper e sócio da Carmel Capital.

Ele explica que a inflação é um reflexo do aumento do câmbio, estipulado pelo governo central, e do alto custo dos produtos, motivado pela escassez. "A população não consegue importar os produtos básicos de que precisa, e eles começam a faltar. Essa dificuldade tem elevado o preço médio na Argentina", fala Chaia.

A maior alta da inflação de fevereiro, em todas as regiões do país, foi registrada no segmento de Alimentos e bebidas não alcoólicas, de 9,8% em relação ao mês anterior, devido principalmente ao aumento do preço das Carnes e derivados e de Leite, laticínios e ovos.

O segundo setor com a maior variação no mês foi Comunicação (7,8%), afetado pela alta dos serviços de telefone e internet, seguido por Restaurantes e hotéis (7,5%), puxado pelo aumento em Restaurantes e refeições fora de casa.

No período, também tiveram destaque: na divisão de Saúde (5,3%), o aumento de taxas pré-pagas; em Bebidas alcoólicas e tabaco (5,2%), a elevação no preço dos cigarros; no grupo Transportes (4,9%), a alta nos combustíveis; e, em algumas regiões, em Habitação, água, eletricidade e outros combustíveis (4,8%), o maior custo de serviços de eletricidade e água.

"A Argentina sofre aumento de preços de dois dígitos, com taxas mensais de 6% a 8%, projetando ao ano mais de 100%, fruto de uma política econômica de gastos governamentais desordenados, excesso da carga tributária, baixa competitividade de sua economia, falta de moeda estrangeira forte, que permita importar e criar um mercado mais competitivo, proporcionando baixas nos preços", afirma o professor Aldo Brunhara, doutor em economia e diretor da IBS Américas, escola internacional de negócios do Brasil.

Segundo Brunhara, as classes baixa e média são as que mais sofrem, porque, com a inflação, os salários e rendas são corroídos em torno de 30% de defasagem. "Existe falta de credibilidade, com manipulação das taxas de inflação e com uma economia com mais de sete tipos de câmbio. Por exemplo, 1.000 pesos, a maior nota de dinheiro da Argentina, vale menos de US$ 3", acrescenta o professor.

"A Argentina passa por uma disparada da inflação, que está crescente, mês após mês, gerando uma sensação de perda do poder de compra no consumidor, e isso leva à grande insatisfação social que se vê em relação à economia", diz Chaia.

'Não existe cenário positivo'

Segundo o professor do Insper, o governo argentino estabeleceu 12 tipos diferentes de câmbio, o que penaliza quem quer importar produtos considerados como não essenciais pela administração federal. Para proteger suas economias e manter seu poder de compra, parte da população do país abre contas e transfere recursos para o exterior.

"A Argentina está empobrecendo, e não consegue repor o nível salarial. Apesar de o turismo ter melhorado, ter bastante ida [de turistas] com a retomada pós-pandemia, a situação macroeconômica não está boa", avalia Chaia.

Ele afirma que a inflação já está em um patamar muito alto e continua a crescer, "o que vai acabar levando a juros também altos, com a redução da possibilidade de investimentos. Isso prejudica ainda mais a retomada do crescimento, porque se não há investimento estrangeiro, dificilmente vai ter criação de emprego e geração de renda que faça o país se estabilizar. Não existe cenário positivo", fala o professor.

 

 

Fonte: R7

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros