Juína/MT, 15 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

15 de Junho de 2024


Brasil Segunda-feira, 26 de Junho de 2023, 08:21 - A | A

Segunda-feira, 26 de Junho de 2023, 08h:21 - A | A

Após redução da Petrobras, preço da gasolina cai pela segunda semana seguida nos postos

Após a redução da Petrobras, o preço médio da gasolina nos postos do país caiu pela segunda semana consecutiva. O valor do litro do combustível recuou R$ 0,05, passando de R$ 5,40 para R$ 5,35, uma queda de 0,9%. A informação é do levantamento pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), realizado entre os dias 18 e 23 de junho.

Além da gasolina, outros combustíveis registraram queda de preço nesta semana. O do etanol recuou 0,8%, com o litro passando de R$ 3,77 para R$ 3,74.

Pela 19ª semana consecutiva, o valor do litro do diesel S-10 caiu para R$ 5,05 (-0,98%). Já o GLP, o gás de cozinha, ficou quase estável, com redução de apenas 0,25% — o valor do botijão de 13 kg passou de R$ 103,55 para R$ 103,29. 

No começo deste mês, com o impacto do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), o preço médio da gasolina chegou a aumentar 4,03%, entre os dias 4 e 10 de junho, tendo chegado a R$ 5,42. Na semana seguinte, recuou para R$ 5,40.

O novo modelo de cobrança do imposto estadual, que começou a vigorar em 1º de junho, instituiu uma alíquota única nacional, de R$ 1,22 por litro.

Na última sexta-feira (16), a Petrobras havia reduzido em R$ 0,13 o seu preço médio de venda do litro de gasolina nas refinarias. O valor passou a ser de R$ 2,66 por litro, um corte de 4,3%. 

Segundo a estatal, com essa queda o preço médio da gasolina pago pelo consumidor final poderia atingir o valor de R$ 5,33 o litro. O cálculo é feito tendo como referência os dados mais recentes da ANP.

O anúncio corresponde à primeira redução no preço da gasolina desde a adoção da nova estratégia comercial para a variação do diesel e da própria gasolina. Com a decisão, a companhia abandonou a política de Preço de Paridade de Importação (PPI) como base principal para os reajustes, que estava em vigor desde 2016.

 

 

Fonte: R7

 

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros