Juína/MT, 15 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

15 de Junho de 2024


Brasil Segunda-feira, 06 de Fevereiro de 2023, 08:20 - A | A

Segunda-feira, 06 de Fevereiro de 2023, 08h:20 - A | A

MPF denuncia mais 152 pessoas por atos de vandalismo

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou mais 152 pessoas envolvidas nos ataques extremistas que terminaram em destruição nas sedes dos Poderes, em Brasília, no dia 8 de janeiro. As novas denúncias foram feitas em três dias, entre 31 de janeiro e 2 de fevereiro. Com isso, já são 653 suspeitos denunciados por diversos crimes.

O balanço das denúncias foi divulgado pelo MPF neste sábado (4), um dia depois de a Polícia Federal deflagrar a 4º fase da Operação Lesa Pátria, que teve como um dos alvos um policial legislativo do Senado. Ele teria favorecido a ação dos vândalos. Um empresário de Goiás, que teria participado dos ataques, foi preso durante a operação.

Esse novo grupo denunciado foi detido no acampamento em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília, segundo o MPF. Eles seguem presos preventivamente no sistema prisional do Distrito Federal, após terem passado por audiência de custódia.

O MPF pede que esses 152 envolvidos nos atos extremistas respondam por associação criminosa e por incitar a animosidade entre as Forças Armadas contra os Poderes Constitucionais. Além disso, pede que os crimes sejam considerados de forma autônoma e, com isso, as penas sejam somadas.

Ao apresentar a denúncia, o MPF narra os acontecimentos realizados pelo grupo até a formação do acampamento no QG do Exército de Brasília. Segundo os procuradores, o local apresentava “evidente estrutura a garantir perenidade, estabilidade e permanência” dos manifestantes que defendiam a tomada do poder.

As denúncias são assinadas pelo subprocurador-geral da República, Carlos Frederico Santos. Além da condenação pelos crimes apontados, Carlos Frederico pede que os envolvidos sejam condenados ao pagamento de indenização mínima, “ao menos em razão dos danos morais coletivos evidenciados pela prática dos crimes imputados”.

 

 

Fonte: R7

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros