Juína/MT, 19 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

19 de Junho de 2024


Mato Grosso Segunda-feira, 14 de Agosto de 2023, 09:07 - A | A

Segunda-feira, 14 de Agosto de 2023, 09h:07 - A | A

Cerimônia sagrada dos povos indígenas é realizada no Xingu com apoio do Governo de MT

O ritual fúnebre e sagrado ocorre em cinco territórios do parque, neste mês de agosto e em setembro

Juína News com Assessoria

Uma das mais antigas e simbólicas tradições dos povos indígenas do Parque Nacional do Xingu, o Kuarup está sendo realizado em cinco territórios delimitados nos municípios de Gaúcha do Norte e Querência, com recursos da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT). O ritual fúnebre e sagrado, que ocorre neste mês de agosto e setembro, homenageia os familiares perdidos e encerra o período de luto das etnias.

“O Kuarup hoje se configura como uma das maiores manifestações das populações indígenas do Brasil, e é realizado no Xingu, território de Mato Grosso. Para nós, do Governo do Estado, garantir a preservação e a manutenção dessa importante prática cultural é cumprir nossa missão, pois estamos fortalecendo nossa cultura, nossas tradições e nossas identidades”, destacou o secretário adjunto de Cultura, Jan Moura.

Neste mês, as cerimônias são realizadas todos os finais de semana em aldeias localizadas em Gaúcha do Norte e Querência. Neste sábado (12.08) e domingo (13.08), será na Aldeia Ipatse Kuikuro e, nos próximos finais de semana, nas aldeias Nafukua, Kamayura e Yawalapiti. No último final de semana, o ritual aconteceu na Aldeia Aweti.

A cerimônia é aberta apenas para populações indígenas e representantes de instituições convidadas.

O Kuarup ocorre sempre um ano após a morte de parentes indígenas, que são representados por troncos de madeira ornamentados e colocados no centro das aldeias. São dois dias de celebração, sendo que, no primeiro, são feitas as pinturas dos troncos e dos familiares em luto, e recepcionados convidados de outras etnias.

O ritual é marcado por danças, música, canto sagrado e orações.

No segundo dia, há uma luta tradicional entre os guerreiros, que estão se preparando desde a noite anterior. Ao final, os ornamentos são retirados dos troncos e entregues às famílias em luto. As toras de madeira são atiradas ao rio, simbolizando a libertação da alma dos mortos.

A tradição inclui o ritual de iniciação das meninas moças. Elas ficam reclusas por um ano, e aparecem com franjas de cabelo que cobrem o rosto. São direcionadas aos chefes das aldeias e oferecem alimentos a eles. As franjas são cortadas, e a partir desse momento elas estão prontas para o matrimônio.

Ao final da cerimônia, os indígenas oferecem peixes aos convidados em um momento de agradecimento e união.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros