Juína/MT, 22 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

22 de Junho de 2024


Mundo Segunda-feira, 23 de Outubro de 2023, 16:23 - A | A

Segunda-feira, 23 de Outubro de 2023, 16h:23 - A | A

María Corina Machado é favorita em primárias da oposição na Venezuela após acordo

Josselyz Essa e uma amiga, duas meninas de 9 anos com um interesse crescente em política, pulavam de entusiasmo enquanto esperavam o início de um comício. Então, um barulho estrondoso se espalhou pela multidão nas ruas da cidade de Valencia, no norte do país. As meninas se esticaram nas pontas dos pés e se juntaram ao tumulto, gritando o mais alto que podiam: "María Corina! María Corina"!- ou seja, María Corina Machado, a política de oposição que elas querem que seja presidente.

Machado é a líder nas pesquisas de uma eleição primária que será realizada neste domingo, 21, organizada pela oposição para escolher um desafiante ao presidente Nicolás Maduro. É a primeira mulher a tentar o cargo desde 2012. 

Mas mesmo que Machado vença a primária, ainda não está claro se ela terá permissão para concorrer em 2024. Embora o governo de Maduro tenha concordado, em princípio, nesta semana, em permitir que a oposição escolhesse seu candidato, ele também já impediu Machado de concorrer ao cargo e, no passado, distorceu a lei e violou acordos conforme sua conveniência.

Todos os candidatos nas primárias prometeram derrubar Maduro. Em outros tempos, isso era suficiente para obter o apoio dos oponentes da administração. Mas agora, as pessoas querem muito mais dos candidatos da oposição. Alguns querem empregos, outros querem melhor atendimento de saúde pública. Alguns querem preços de alimentos mais baixos, outros querem acesso a créditos comerciais.

Josselyz quer apenas uma escola melhor.

"Está faltando quase tudo. As paredes estão em péssimo estado. O refeitório não existe e a comida é ruim", disse Josselyz, que nasceu um pouco depois que a Venezuela mergulhou em uma crise de décadas.

A situação política, social e econômica que passou a definir o país, outrora próspero, evoluiu ao longo dos anos. A fase mais recente tem sido particularmente desafiadora após uma breve estabilidade econômica que se estendeu até o final de 2021 e início de 2022.

O tempo das pessoas é consumido pela montanha-russa econômica. Elas podem comprar comida hoje, mas não amanhã. Elas podem receber uma bolsa do governo hoje, mas não amanhã. Podem encher um tanque com gasolina subsidiada hoje, mas não amanhã.

Os aliados de Maduro ridicularizaram e descartaram as primárias durante todo o ano. Ainda assim, tanto o governo quanto seus adversários usaram a disputa como moeda de troca para extrair concessões um do outro como parte de um processo de negociação para acabar com a crise.

Alívio nas sanções

Maduro e uma facção da oposição apoiada pelo governo dos EUA concordaram na quarta-feira, 18, em trabalhar juntos nas condições básicas para a eleição presidencial de 2024. Isso levou o governo a libertar seis prisioneiros políticos e o governo Biden a suspender as principais sanções econômicas.

Ainda assim, um painel apoiado pela ONU que investiga abusos de direitos humanos na Venezuela disse no mês passado que o governo de Maduro intensificou os esforços para restringir as liberdades democráticas antes da eleição de 2024. Isso inclui submeter alguns políticos, defensores dos direitos humanos e outros oponentes à detenção, vigilância, ameaças, campanhas difamatórias e processos criminais arbitrários.

Machado vem liderando a corrida das primárias há meses, apesar de o governo ter emitido, em junho, uma decisão administrativa proibindo-a de concorrer ao cargo, alegando fraude e violações fiscais e acusando-a de buscar as sanções econômicas impostas pelos EUA à Venezuela. Dois candidatos que desistiram no início deste mês haviam se registrado apesar de já estarem sujeitos a proibições.

Segundo o acordo de quarta-feira, o governo e a oposição devem ‘reconhecer e respeitar o direito de cada ator político de escolher‘ livremente um candidato presidencial. Eles também concordaram em ‘promover a autorização‘ de todos os candidatos a participarem, desde que cumpram a lei.

Ciente de que Maduro já descumpriu acordos anteriormente, o governo Biden deu ao governo da Venezuela até o final de novembro para estabelecer um cronograma e um processo para reintegrar rapidamente todos os candidatos. Se Maduro não cumprir o prazo, o governo dos EUA reverterá parte do alívio das sanções.

"Fomos muito claros ao afirmar que devemos permitir a participação de todos os candidatos no processo", disse Brian Nichols, secretário de Estado adjunto dos EUA para assuntos do Hemisfério Ocidental, a repórteres na quinta-feira, 19.

Os organizadores das primárias não forneceram uma estimativa de participação no domingo, mas a logística certamente afetará o comparecimento.

Normalmente, os venezuelanos votam em máquinas eletrônicas instaladas em escolas públicas. Mas a comissão independente que organiza as primárias optou por usar cédulas de papel e instalará centros de votação em residências, igrejas, escolas particulares e outras instalações.

Uma pesquisa realizada no início deste mês pela empresa de pesquisa Delphos, sediada na Venezuela, indicou que mais da metade das pessoas identificadas como altamente propensas ou propensas a participar não sabiam onde votar.

Machado disse à agência de notícias Associated Press que esse será o ‘maior desafio‘ das primárias.

"Não tenho dúvidas de que nós, venezuelanos, queremos uma mudança profunda. É por isso que as pessoas me dizem: Sua próxima eleição é com Maduro", disse ela, sugerindo que as pessoas estão concentradas na eleição de 2024 e não na de domingo.

"Temos que nos concentrar em informar às pessoas que as primárias estão acontecendo, que serão no dia 22, e que elas devem descobrir onde devem votar", disse ela.

Com o entusiasmo de uma criança e com um interesse incomum em política, Josselyz insistiu para que ela e sua avó fossem ao comício de Machado em Valencia no início deste mês. Ela e sua amiga encontraram um cartaz caseiro descartado que dizia ‘Até o fim com a dama de ferro‘ e o seguraram por algum tempo.

Perto dali estava Ismael Martínez, que disse ter votado em Maduro e também em seu mentor, o falecido presidente Hugo Chávez. Ele disse que o movimento socialista autodenominado por Chávez "não era ruim", mas que "fracassou" devido a alguns políticos corruptos cujo ‘ego e interesses pessoais‘ traíram o país.

 Agora, ele está apoiando Machado.

"Esperamos que ela tenha uma nova visão econômica para o país‘, disse Martínez, 43 anos, trabalhador agrícola. ‘Somos nós que estamos conduzindo essa mudança. Na Venezuela, não somos mais os mesmos de 20 anos atrás. Sabemos como reconhecer onde estão as falhas".

 

 

Fonte: Estadão

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros