Juína/MT, 22 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

22 de Junho de 2024


Polícia Quinta-feira, 13 de Abril de 2023, 08:27 - A | A

Quinta-feira, 13 de Abril de 2023, 08h:27 - A | A

Crimes cibernéticos

Em três meses, Polícia Civil recupera R$ 1,3 milhão de vítimas de estelionato virtual

Os golpes já conhecidos vão do falso intermediário, perfil falso, compra e venda de veículos pela internet, golpe do WhatsApp clonado, notificações falsas em redes sociais, fraude de cartão de crédito

Da Redação

Aproximadamente R$ 1,3 milhão subtraído de vítimas em golpes virtuais foram recuperados no primeiro trimestre deste ano pela Polícia Civil de Mato Grosso, por meio da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Informáticos (DRCI).O valor é referente a ocorrências registradas envolvendo crimes de estelionatos praticados por meio de plataformas eletrônicas.

De janeiro a março de 2023, foram cometidos os mais diferentes tipos de fraude eletrônica, contra vítimas residentes em diversos municípios do estado, além de outras cidades da federação.

Os golpes já conhecidos vão do falso intermediário, perfil falso, compra e venda de veículos pela internet, golpe do WhatsApp clonado, notificações falsas em redes sociais, fraude de cartão de crédito, entre outros.

As ações da DRCI, que resultaram na recuperação das quantias em bloqueios bancários, foram deflagradas em apoio às investigações de delegacias da Capital e interior do estado visando dar resposta imediata e evitar maior prejuízo financeiro às vítimas.

Na maioria dos casos, os titulares das contas bancárias, muitas delas digitais, onde o dinheiro do golpe é depositado, são identificados. Quem empresta a conta para receber esses valores dos golpes aplicados também respondem criminalmente pela conduta.

O delegado titular da DRCI, Ruy Guilherme Peral, aponta que entre 2021 e o início deste ano, a unidade especializada recuperou R$ 5 milhões em valores das vítimas de estelionato aplicado por meio eletrônico.
“Esse trabalho somente é possível com ações em conjunto com setores de prevenção a fraudes dos bancos e as cooperativas parceiras. A quantia bloqueada é restituída após alguns procedimentos de praxe nas agências bancárias”, destacou o delegado.

O titular da DRCI explica também que as vítimas devem ficar atentas, uma vez que devido à agilidade da transferência via PIX, os estelionatários conseguem fazer a transferência de valores para outras contas muito rápido, o que dificulta o bloqueio da quantia e a localização do dinheiro.

Qualificação

A Polícia Civil de Mato Grosso, por meio da Diretoria de Atividades Especiais em conjunto com as Diretorias do Interior e Metropolitana, tem buscado capacitar e difundir os trabalhos adotados pela DRCI nas investigações de crimes informáticos.

Os cursos ministrados para atender as demandas das equipes policiais visam à qualificação acerca dos conceitos, métodos e ferramentas investigativas cibernéticas.

O projeto pedagógico conta com apoio da Academia da Polícia Civil e tem como foco a difusão das técnicas utilizadas na apuração desse tipo de ilícito penal, bem como o aprimoramento do atendimento às vítimas no tocante às primeiras e urgentes orientações a serem dadas.

Outro destaque é dar efetividade e celeridade no atendimento às vítimas e a padronização no atendimento realizado tanto na Capital como no interior do estado.

A DRCI auxilia os policiais civis das delegacias no decorrer das investigações. Porém é importante que os servidores das mais diferentes áreas tenham base para atuar nas diligências referentes aos crimes cometidos por meios virtuais, uma vez que os criminosos, cada vez mais, estão migrando para esse modo de atuação.

“A capacitação dos profissionais é essencial por se tratar de uma matéria nova que lida com a atuação de indivíduos que vem cometendo a modalidade de estelionato por meio da internet, pois enxergam como porta de entrada para obter lucros, tendo riscos menores de serem presos. No entanto, crimes cibernéticos têm penas graves e são passíveis de prisão, por isso, a vítima tem que denunciar de imediato o ocorrido”, pontua o diretor de Atividades Especiais, delegado Vitor Hugo Bruzulato.

Alerta

A DRCI orienta a população a estar sempre atenta ao receber alguma ligação, mensagem pelo celular ou pelas redes sociais. Além disso, compras pela internet em alto valor devem ser sempre observadas e certificar que o negócio é seguro e certo.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros