Juína/MT, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png youtube001.png
aa9a80b34a620ff8aded7659831dc4b1.png
https://cdn.juinanews.com.br/storage/webdisco/2023/07/07/original/6752654577c6b33b1b62a50f637045f0.png
00:00:00

16 de Junho de 2024


Política Quarta-feira, 19 de Julho de 2023, 09:25 - A | A

Quarta-feira, 19 de Julho de 2023, 09h:25 - A | A

Garcia diz que prefeito tornou Saúde fonte de desvio de dinheiro

A atual administração municipal de Cuiabá transformou os recursos destinados à Saúde em uma fonte de corrupção. A afirmação foi feita pelo secretário-chefe da Casa Civil, Fábio Garcia (União), depois que a Polícia Civil deflagrou a operação “Overpay”, para apurar um esquema de pagamentos por serviços não prestados por uma empresa contratada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no ano passado.

“Somente na gestão Emanuel Pinheiro esta é a 17ª operação com desvio de dinheiro público e na Saúde foram 13 operações com a mesma suspeita, algo também nunca visto. A Saúde virou fonte de desvio de recursos”, afirmou Garcia, deputado federal licenciado do cargo e que, enquanto esteve em Brasília, comandou uma comissão especial criada para acompanhar a intervenção na Saúde da capital.

O secretário destacou também que, não bastassem os escândalos na Saúde, a cidade vive um enorme caos administrativo, que pode ser visto pelo abandono das vias. “A cidade está mal cuidada, cheia de buracos. A gente anda nos bairros e é buraco em tudo o que é lugar. O prefeito abandonou a cidade e ela está tomada por escândalos como nunca visto na história”. 

Por conta disso, Garcia entende a indignação da população com a atual administração municipal, uma vez que os cuiabanos pagam altos impostos e taxas e não recebem, em troca, os serviços que deveriam ser prestados pela prefeitura. “Diante de todo esse cenário, é plenamente compreensível a indignação e a revolta da população cuiabana com a atual administração”.

Deflagrada nesta segunda-feira (17), a operação Overpay resultou no cumprimento de 19 mandados judiciais, inclusive um de prisão contra o dono da empresa contratada pelo município. Uma das determinações da Justiça impede que a empresa realize novas contratações com a SMS, além de proibir que ela receba pelos serviços supostamente prestados.

 

 

Fonte: GD

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros